Skip to main content

Relatório de Scouting – Roberto Gagliardini

De um empréstimo falhado na Serie B a uma transferência milionária em menos de um ano. É difícil perceber a ascensão meteórica de Roberto Gagliardini. Como é que um jogador pode valorizar tão rápido em tão curto espaço de tempo? O que haverá de especial neste jogador? É o que vamos tentar saber. 

Gagliardini faz parte de um grupo especial de jovens que revolucionaram a Atalanta. Para além de Gagliardini, temos Caldara, Kessie, Petagna entre outros. Uma produção inusitadamente rica de jovens jogadores, mesmo para a Atalanta, uma das melhores academias em  Itália. No caso de Gagliardini, é difícil perceber quem é realmente este jogador, com tão poucos jogos jogados. Será que esta ascensão meteórica se deve à qualidade do jogador, ou foi facilitada de alguma forma pelo sistema de Gasperini? Bem, é um pouco dos dois. 

Gagliardini não tem nenhuma fraqueza evidente, pelo menos uma que não possa ser trabalhada no futuro. Não tem também nenhuma habilidade extraordinária. O que ele faz – e faz muito bem – é tudo o que é pedido a um médio moderno. Não tem a capacidade técnica nem a força física de outros jogadores da sua posição, mas entende os fundamentos do jogo moderno: pressão e verticalidade. O futebol já não é um jogo de largura. É de profundidade. Está tudo na verticalidade. Gagliardini não é dotado técnica e fisicamente. As suas capacidades são menos visíveis. Dinâmica, agressividade e simplicidade. 

Gagliardini é um dos melhores recuperadores de bola da Serie A. Não pela quantidade de bolas que recupera, mas onde as recupera. Após perder a posse de bola, a primeira coisa na cabeça de Gagliardini é pressionar o jogador com bola que tenta lançar o contra ataque. É extremamente agressivo, chegando ao pé do jogador quase ao mesmo tempo que a bola, dando poucos segundos ao adversário para pensar o que fazer a seguir e executar. Isto faz dele um mestre das segundas bolas. 

 

Imagem 1

Normalmente deambula fora da área à espera da bola solta ou de um adversário que comece a organizar o jogo. Dessa forma, é capaz de recuperar a bola em zonas extremamente perigosas que quase automaticamente se transformam numa ocasião de golo. Este comportamento tem valor defensivo, interrompendo o início dos ataques das outras equipas, mas também valor ofensivo. A sua agressividade faz dele um grande defesa quando em contacto com o adversário. Contudo ele não é bom a cobrir espaços e cortar linhas de passe.  Isto é o que torna a sua capacidade de pressionar implacavelmente, tão importante. Sem isso, ele pode ser um risco defensivamente.

Imagem 2

É difícil de categorizar Gagliardini. Ele tem uma técnica sólida mas básica. Quando pressionado, tem falta de agilidade para se virar rapidamente e não sabe sair de espaços curtos. Compensa isto usando muito bem o seu corpo, tanto para proteger a bola como para ganhar falta. A sua precisão no passe longo é razoável. É inteligente, mas não o suficiente para ser um maestro. Isto tira-lhe a possibilidade de ser um médio criativo. Jogar à frente da defesa, pelo menos sozinho, também está fora de questão pela sua dificuldade em cobrir espaços. Não é um médio todo o terreno. Na verdade ele tem muito pouca influência nas duas áreas. O seu jogo é muito mais simples do que tudo isso. Ele só quer saber da verticalidade. Ele tenta recuperar a bola e levá-la até aos avançados o mais rapidamente possível. Quando tem a bola, Gagliardini escolhe quase sempre o passe directo, mesmo que tenha soluções mais simples. Procura o espaço entrelinhas, onde jogadores mais criativos como João Mário, podem causar mais estragos. Ele faz a equipa avançar, aproximando-se da baliza do adversário. Os passes laterais ou atrasados são raros. 

 

Imagem 3

Imagem 4

Imagem 5

Um jogador com características tão específica só funciona num modo específico de jogar. Gagliardini encaixa quase perfeitamente no sistema de Gasperini. O treinador do Atalanta é o que mais contribuiu para o seu desenvolvimento nos últimos meses. Com ele, Gagliardini tem aprendido como utilizar as suas capacidades para ajudar uma equipa pró-activa que quer defender o mais afastado da baliza possível, e neste tipo de ambiente o médio Italiano pode ter mais impacto. Stefano Pioli não é assim tão diferente de Gasperini, menos engenhoso mas com o mesmo impulso para pressionar e defender pró-activamente. Em Gagliardini, Pioli vê um novo jogador para liderar o pressing. Ele traz uma intensidade ao meio campo que faltava desesperadamente aos Nerrazurri. Isso vale 25M €? Não sei, mas Gagliardini encaixa tanto no estilo como nas necessidades do Inter de Pioli. Não admira que tenha começado de início todos os jogos desde que chegou a Milão.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
Tiago Martins

Tiago Martins

Tiago Martins, a 26 year old passionate football fan with a deep curiosity about the inner mechanics of the game. Loves everything about Calcio. Started his blogging career at Planeta Desportivo. Tiago Martins, apaixonado pelo futebol, com 26 anos de idade com uma profunda curiosidade sobre a mecânica do jogo. Adora tudo o que está relacionado com o Calcio. Começou a sua carreira como blogger no Planeta Desportivo. Email: tiagopmartins7@hotmail.com

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *