Skip to main content

Processo Ofensivo AS Roma

Este início de época está longe de ser um sucesso para a AS Roma. Os Giallorossi estão agora em 2º lugar com 19 pontos em 9 jogos, os mesmos que o AC Milan, mas tiveram um início de época conturbado.

Nos últimos 6 jogos na Série A, a equipa de Luciano Spalleti ganhou 3, empatou 1 e perdeu 2 jogos. Não é um cenário muito favorável para uma equipa que aponta ao Scudetto de Itália. A grande desilusão da época veio no primeiro e mais importante desafio: a derrota no Playoff da Liga dos Campeões contra o FC Porto. Depois de um encorajador regresso à Liga dos Campeões na época passada, a equipa parece perdida, sem saber exactamente qual a sua identidade.

Organização Ofensiva

Um dos principais problemas verificados nos últimos jogos é a falta de qualidade na zona de construção. Especialmente o jogo entre os dois centrais. No entanto, quando Leandro Paredes começa a descer no terreno para servir de pivot a construção melhora um pouco.

Quando tal não ocorre, como foi o caso contra o FC Inter, os Giallorossi têm tremendas dificuldades de sair a jogar a partir de trás de forma controlada. Para além deste problema já existente, acrescentamos ainda uma pressão extremamente eficaz por parte do FC Inter.

Frank De Boer apresentou a sua equipa organizada em 1-4-2-3-1 com Éver Banega atrás de Mauro Icardi. Quando pressionavam, o ex-Sevilla subia e posicionava-se ao lado de Icardi para pressionar os dois centrais.

imagem-1

Federico Fazio e Kostas Manolas acabaram com apenas 17 e 13 passes conseguidos, respectivamente. A resposta de Spaletti para este problema foi passar a 1ª fase de construção e colocar a bola directamente em Edin Dzeko. Isto foi conseguido principalmente através de passes longos directamente para o circulo central onde Dzeko tentava ganhar a bola, e o avançado fê-lo muito bem. Em 12 duelos disputados, Dzeko ganhou 10.

O duelo mais importante foi o que deu lugar ao 1º golo do jogo. Szczesny  bateu o pontapé de baliza de forma longa, onde Dzeko ganhou a bola e cabeceou para Florenzi, versátil médio Italiano, que a jogar atrás do avançado recebeu a bola e rapidamente a colocou no corredor direito. Do mesmo modo, o posicionamento de Florenzi foi fundamental na estratégia de Spalleti. Com a sua rapidez e notável capacidade de ler o jogo, Florenzi foi capaz de chegar primeiro à maioria dessas segundas bolas.

imagem-2

Transição Ofensiva

Quando recebe a bola, Salah dá largura máxima abrindo assim a linha defensiva do Inter. Santon segue o extremo egípcio, Murillo fica no corredor central e Medel recua para compensar a subida de Bruno Peres. O lateral direito Brasileiro lê bem o jogo e ataca o espaço entre central e lateral.

Entretanto, Dzeko começa uma fantástica corrida para o 1º poste, nas costas de Murillo. Dzeko acaba por tocar a bola para o primeiro golo do jogo. Numa única jogada, conseguimos ver toda a estratégia de Spaletti para este jogo: bola longa para Dzeko, que encontra rápido Salah na direita e ataca o espaço entre central e lateral.

 

imagem-3

Este movimento ocorreu vezes sem conta durante o jogo. Na verdade, a missão de Salah na transição foi óbvia. Assim que a Roma recuperava a bola, o Egípcio começava a correr para procurar o espaço e apanhar Santon de surpresa. Não foi um jogo fácil para o defesa Italiano, que não teve velocidade para acompanhar Salah.

Reacção ao golo sofrido

Depois do golo, Murillo corrigiu o seu posicionamento e começou a dar mais cobertura a Santon, o que estancou um pouco a ferida provocada pela Roma. Desta forma, quando o Inter procurou o golo do empate, acabou por conseguir através de uma demonstração técnica espectacular de Éver Banega. Subindo a linha defensiva, Salah podia facilmente explorar o espaço nas costas de Santon ou entre este e Murillo.

imagem-4

Samir Handanovic fez um par de defesas decisivas neste tipo de situação evitando o golo o mais possível. Foi assim que os Gialorossi acabaram com mais dois remates à baliza do que o Inter, apesar dos Nerazzurri terem muito mais posse de bola (63,7% a favor do Inter).

O jogo acabou com uma vitória romana por 2-1 graças a um cabeceamento de Kostas Manolas. O resultado traduziu bem o que aconteceu em campo. O estilo de jogo directo resultou e a Roma foi bastante objectiva. Contudo, esta estratégia não resolverá todos os problema. Não irá resultar sempre. Nem todas as equipas na Série A deixarão tanto espaço nas costas como o Inter deixou neste jogo.

admin

admin

Founder, Project Manager Videobserver . I believe in the democratization of sports analysis software, for all intervenients, such as coaches, analysts, scouts, federations, clubs and players.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.