Skip to main content

A inteligência no futebol moderno

Futebol moderno

Parar, pensar e perceber o que tem mudado é sempre um exercício interessante. O futebol moderno é feito de tendências e temos de as conhecer para podermos compreender o jogo e a sua essência. Nos últimos anos um dos paradigmas que dos sinais de evolução do futebol é-nos dado pelo perfil do defesa lateral “moderno”.

Durante anos, tornar extremos em defesas laterais era uma solução recorrente, usada por imensos treinadores para ultrapassar alguma falta de qualidade naquela posição. Esta tendência acentua-se pela necessidade de ter defesas laterais que não se limitem ao processo defensivo, mas com capacidade de se integrarem no processo ofensivo. Há muitos casos de sucesso como Fábio Coentrão ou Bernat, que baixaram no terreno para se tornarem bons defesas laterais.

maxresdefault

Hoje em dia cada vez mais treinadores procuram tornar médios centro em defesas laterais de grande qualidade. Pode parecer estranho para muitas pessoas que achem que características como a velocidade e força são indispensáveis para responder aos requisitos específicos da posição, mas é uma consequência natural dos constantes desafios oferecidos pelo jogo.

Há uma palavra chave por trás desta nova tendência: inteligência. A inteligência como factor distintivo de qualquer jogador, em qualquer posição dentro das 4 linhas. O futebol parece caminhar para um lugar onde os mais inteligentes – aqueles que interpretam e adaptam-se ao contexto – sobrevivem. O facto de, em teoria, um médio centro tem maior compreensão do jogo do que um típico defesa lateral pode ajudar à tomada de decisão por parte dos treinadores.

Alemanha: o exemplo a seguir

Alemanha é o berço destas transformações e parece estar um passo à frente em relação ao resto, quebrando estereótipo e servido de modelo para outros. Em mais nenhum pais conseguimos encontrar tão bons exemplos para esta nova tendência. Kimmich, preferencialmente médio centro, não precisou de “escola” para começar no 11 inicial a defesa direito com a equipa da Alemanha durante o EURO 2016.

De outra geração, Benjamin Henrichs é outro nome que promete brilhar no futuro. Tanto à esquerda como à direita, é a primeira opção de Roger Schmidt e tem feito exibições muito satisfatórias. Não é um jogador supersónico, nem é particularmente forte em situações 1×1 mas dá muito critério com bola e consegue defender mesmo sem essas qualidades. A estreia pela Mannschaft contra San Marino não foi nenhuma surpresa. Sebastian Rudy, outro elemento chamado por Joachim Löw, é também um jogador versátil com a capacidade para jogar nas posições defensivas.

csm_62971-henrichs1_getty_69ebd1fb89

Contexto europeu

Fora da Alemanha, Sergi Roberto é o caso mais notável de uma adaptação com sucesso. Apesar de ser potencialmente um dos melhores médios espanhóis no futuro, é muito utilizado como defesa direito no Barcelona e joga a um bom nível. É o protótipo de novo defesa lateral, que apresenta como melhor qualidade a inteligência. A partida de Dani Alves não causou tanto dano como esperado.

Na Holanda temos outro exemplo com Daley Sinkgraven. De médio ofensivo passou para defesa esquerdo na revolução levada a cabo por Peter Bosz no Ajax. Os primeiros passos nessa posição não correram nada mal, apesar das dificuldades esperadas. O Ajax ganhou um defesa lateral mais criativo e capaz de explorar espaços interiores.

cid192782_sinkgravenvi02_1180

A ideia de que os jogadores são condicionados pelas suas características físicas está a ser deixada para trás. O que é valorizado hoje em dia e o que é pretendido extrair do jogador cada vez está menos dependente do físico do jogador e mais no seu intelecto. O Futebol está a por de lado a especialização a “Defesa lateral” ou a “Médio” e a tirar vantagem das características individuais de cada jogador.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
Tomás da Cunha

Tomás da Cunha

Tomás da Cunha, a 21 years old journalist living in Lisbon. No formation in sports area, but some experiences as a football and futsal coach at an amateur level. He believes that scouting is crucial to understand the complexity of football. Tomás da Cunha, jornalista de 21 anos a residir em Lisboa. Sem formação na área do desporto mas com alguma experiência como treinador de futebol e futsal a nível amador. Acredita que o Scouting é crucial para compreender a complexidade do futebol. Email: tomasrdc25@gmail.com

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *