Skip to main content

FC Porto: Uma nova dinâmica

Um novo treinador, os mesmos jogadores, uma abordagem diferente – esta é a melhor forma de caracterizar o início da temporada 2017/2018 para o FC Porto, e os bons indicadores dados na pré-época confirmaram-se no primeiro jogo oficial, com uma vitória volumosa (4-0) sobre a equipa do Estoril.

Apesar de até ao momento não terem chegado reforços (exceptuando o guarda-redes Vaná e alguns regressos importantes vindos de empréstimo), Sérgio Conceição conseguiu mudar a forma de jogar da sua equipa em apenas algumas semanas. Uma das diferenças em relação ao passado diz respeito ao sistema táctico, já que o treinador abandonou o 1-4-3-3 e adoptou o 1-4-4-2, permitindo que a equipa seja agressiva sem se desequilibrar. No entanto, as grandes mudanças verificam-se nas dinâmicas da equipa.

 

Imagem_1

 

Brahimi e Corona, os jogadores mais criativos do Porto, permanecem nos corredores laterais, o que não deixa de ser arriscado tendo em conta o novo sistema táctico. No entanto, o facto destes jogadores actuarem muitas vezes em zonas centrais influencia a dinâmica ofensiva da equipa.

 

Imagem_2

 

Imagem_3

 

Brahimi e Corona actuam próximos de Óliver (ocupando muitas vezes a mesma linha) o que acaba por atrair o meio campo adversário e libertar espaço entre a linha intermédia e defensiva, o que pode ser aproveitado por um dos avançados. Esta penetração do avançado faz com que a equipa do Estoril se concentre no corredor central e liberte espaço nos corredores laterais, permitindo a subida dos laterais do Porto.

 

Mesmo quando não é possível desequilibrar pelo corredor central, a equipa do Porto coloca os seus extremos a jogar por dentro e obriga o lateral adversário a tomar uma decisão: permanecer na sua zona e deixar o extremo sem oposição ou aproximar-se dele e abrir espaço no corredor lateral, que pode ser aproveitado pelo ala do Porto.

 

Imagem_4

 

Imagem_5

 

No entanto, esta dinâmica também pode acabar por desequilibrar a equipa do Porto; Brahimi e Corona, por exemplo, são jogadores que por vezes exageram no drible, e em situações em que percam a bola num momento em que o lateral do Porto está subido, não há qualquer cobertura defensiva ao portador da bola. Neste exemplo, felizmente para o Porto, Brahimi conseguiu resolver a situação, mas nem sempre isso irá acontecer.

admin

admin

Founder, Project Manager Videobserver . I believe in the democratization of sports analysis software, for all intervenients, such as coaches, analysts, scouts, federations, clubs and players.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.